Gaiola de faraday

(ENEM 2010) Duas irmãs que dividem o mesmo quarto de estudos combinaram de comprar duas caixas com tampas para guardarem seus pertences dentro de suas caixas, evitando, assim, a bagunça sobre a mesa de estudos. Uma delas comprou uma metálica, e a outra, uma caixa de madeira de área e espessura lateral diferentes, para facilitar a identificação. Um dia as meninas foram estudar para a prova de Física e, ao se acomodarem na mesa de estudos, guardaram seus celulares ligados dentro de suas caixas. Ao longo desse dia, uma delas recebeu ligações telefô­nicas, enquanto os amigos da outra tentavam ligar e recebiam a mensagem de que o celular estava fora da área de cobertura ou desligado.
Essa questão fala da blindagem eletrostática do metal. Nesse sentido, gostaria de saber como o celular continua funcionando dentro de um carro, já que também se considera uma gaiola.

Boa tarde, Jorge!
Posso estar errado, porém penso na seguinte hipótese:
Uma caixa, normalmente é totalmente fechada, e como o problema falou, feita de metal. Dessa forma, configura-se como uma Gaiola de Faraday “perfeita”. Já o carro, por possuir outros materiais na sua composição, tais como vidro e etc., funciona como uma Gaiola de Faraday no que tange às descargas elétricas, visto que estas “caem” na carcaça metálica do carro. Já o celular, para funcionar recebendo mensagens e ligações, necessita apenas de radiação eletromagnética das operadoras. Logo, como o carro não blinda completamente a passagem de radiação eletromagnética(ela atravessa o vidro, por exemplo) ele continua funcionando perfeitamente.

Procurei no Google para tentar achar um melhor embasamento para sua dúvida, mas não achei.

Essa é minha teoria. Espero que tenha ajudado :grinning: